quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Platini diz que Uefa é odiada e revela que teria votos para ser eleito na Fifa

Michel Platini falou pela primeira vez desde ser banido pelo comitê de ética da Fifa de todas as atividades relacionadas ao futebol por oito anos. Em entrevista a quatro jornais em Dubai, o ex-presidente da Uefa prometeu lutar até o fim para defender sua inocência, afirmou que a confederação europeia é odiada na Fifa por não ter escândalos e revelou que tinha votos suficientes para vencer a eleição da entidade máxima do futebol.

- Certamente esta maquinação não é contra mim, mas contra a Uefa. Na Fifa, se odeia a Uefa porque é a única confederação sem escândalo – disse Platini, de acordo com o Mundo Deportivo, ao ser questionado quem estaria por trás de sua punição.

Platini não sabe se sua ideia de concorrer à presidência da Fifa pode ter influenciado no que ele chama de “maquinação”. Mas o dirigente garante que já lhe haviam prometido 150 dos 209 votos possíveis, o que seria suficiente para ganhar a eleição no primeiro turno.

- Não sei ao certo (se o escândalo não teria acontecido se não fosse candidato), mas eu tinha 100 votos escritos e 50 de palavra, e por isso se irritaram em Zurique.

Platini garante que não fez nada ilegal. De acordo com o francês, o pagamento que recebeu da Fifa foi acertado em um acordo verbal com Joseph Blatter, e ele garante que deu recibo e pagou todos os impostos previstos. Por isso, irá recorrer ao Comitê de Apelação e, se necessário, ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) e até à Justiça Comum.

- Como acho que é uma injustiça o que fizeram comigo, penso em ir até o final, até o último tribunal se for preciso para demonstrar minha inocência.

Fonte:Globo Esporte

0 comentários:

Postar um comentário