quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Time alemão planeja 15 minutos de silêncio contra "clube empresa"

Pelo segundo ano consecutivo, a torcida do Union Berlim, da segunda divisão alemã, prepara um protesto para o jogo contra o RB Leipzig. Para o duelo de sexta-feira, os fãs pretendem ficar 15 minutos em silêncio, numa manifestação de desprezo ao adversário, controlado pela empresa de bebidas Red Bull e considerado, de forma negativa, símbolo do “futebol moderno”. 

- O Leipzig novamente gastou grandes somas de dinheiro em novos jogadores, quase todos tendo ofertas de times da primeira divisão. As possibilidades financeiras parecem infinitas. Mas nós vamos lutar pela preservação da cultura do futebol ao máximo possível. Simples instrumentos de marketing como o RB nunca serão parte desta cultura, e é por isso que estamos organizando um silêncio de 15 minutos – explicou o grupo de torcedores Scene Koepenick, em carta pública. 

Torcida do Union Berlim planeja protesto contra o RB Leipzig (Foto: Rodrigo Faber)


Na temporada passada, a atitude foi a mesma. Assim que os jogadores do Leipzig entraram em campo, cerca de 20 mil torcedores, quase todos vestidos de preto, se calaram. Cartazes criticando a gestão do adversário foram exibidos. O gesto, assim como o deste ano, recebeu apoio da diretoria do Union. 

- Eu posso apenar usar as palavras do nosso presidente, Dirk Zingler, que apoia completamente esta iniciativa. O Leipzig pode esperar mais protestos – disse o porta-voz do clube, Christian Arbeit. 

O RB Leipizig era um time da quinta divisão em 2009, quando foi comprado pela Red Bull. Deste então, conseguiu seguidas promoções até chegar à segunda camada do futebol alemão. Nesta temporada, o clube chamou a atenção ao contratar o promissor atacante Davie Selke, com passagem pelas seleções de base, ao Werder Bremen, oferecendo um salário acima dos padrões da divisão. Na última rodada, o St. Pauli se recusou a exibir o escudo do clube, que faz clara alusão à patrocinadora. 
Além do Leipzig, a Red Bull tem outros três clubes espalhados no mundo: em Nova York, em Salzburg, na Áustria, e em São Paulo. 


0 comentários:

Postar um comentário